Blog

  • Julio Cesar França Franco

Para que Gritar?


  1. "

Um dia, um pensador indiano fez a seguinte pergunta a seus discípulos :

  1. “Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas?” “Gritamos porque perdemos a calma”, disse um deles.

  2. “Mas, por que gritar quando a outra pessoa está ao seu lado?”, questionou novamente o pensador.

  3. “Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça”, retrucou outro discípulo.

  4. E o mestre volta a perguntar :

  5. “Então não é possível falar-lhe em voz baixa?”

  6. Várias outras respostas surgiram, mas nenhuma convenceu o pensador.

  7. Então ele esclareceu :

  8. “Vocês sabem porque se grita com uma pessoa quando se está aborrecido?”

  9. O fato é que, quando duas pessoas estão aborrecidas, seus corações se afastam muito.

  10. Para cobrir esta distância precisam gritar para poderem escutar-se mutuamente.

  11. Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar para ouvir um ao outro, através da grande distância.

  12. Por outro lado, o que sucede quando duas pessoas estão enamoradas?

  13. Elas não gritam. Falam suavemente. E por quê?

  14. Porque seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena.

  15. Às vezes estão tão próximos seus corações, que nem falam, somente sussurram.

  16. E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas se olham, e basta.

  17. Seus corações se entendem.

  18. É isso que acontece quando duas pessoas que se amam estão próximas.

  19. Por fim, o pensador conclui, dizendo :

  20. “Quando vocês discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta”."

22 visualizações

A nossa missão é informar para transformar.

(62) 98182-3830

(62) 99671-6111

 

Goiânia-GO

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Instagram - White Circle
  • LinkedIn - White Circle

© 2015 Palestrante Julio Cesar - Todos os direitos reservados