Blog

  • Julio Cesar França Franco

Não faça tempestades num copo d’água



Geralmente esta frase é bem aplicada: exagera-se um momento de dificuldade, quando a vida é bem mais simples do que parece.

Entretanto, nunca podemos julgar a dor alheia. Um pequeno detalhe - que em nada nos afetaria - pode servir de gatilho para uma tormenta que se preparava na alma do nosso próximo. Nestas horas, é preciso respeito com sofrimento alheio, já que não podemos compará-lo com o nosso.

Okakura Kakuso fala a respeito: “se considerarmos como é mínimo o copo de alegria que temos nesta vida, como tão poucas as lágrimas são capazes de transbordá-lo, como - em nossa imensa sede - terminamos por bebê-lo mais rápido do que devíamos, jamais culparíamos alguém por fazer tempestades em lugares tão pequenos”.

Um aprendiz de ocultismo que conheço, na esperança de impressionar bem o seu mestre, leu alguns manuais de magia e resolveu comprar os materiais indicados nos textos.

Com muita dificuldade conseguiu determinado tipo de incenso, alguns talismãs, uma estrutura de madeira com caracteres sagrados escritos numa ordem determinada. Vendo isto, o mestre comentou: “Você acredita que, enrolando fios de computador no pescoço, conseguirá ter a sabedoria da máquina? Acredita que, ao comprar chapéus e roupas sofisticadas, vai adquirir também o bom-gosto e a sofisticação de quem as criou?”. “Os objetos e imagens podem ser seus aliados, mas não contem - neles mesmos - qualquer tipo de conhecimento. Pratique primeiro a devoção e a disciplina, e tudo o mais lhe será acrescentado”.

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

DO MEDO