Blog

  • Julio Cesar França Franco

JOGADOR NA IGREJA


Num domingo eu fui na igreja cumprir minha obrigação

Por não ter um livro de reza levei um baralho na mão

Eu fui transando o baralho rezando no coração

Naquelas cartas eu cumpria o meu dever de cristão

Eu estava dentro da igreja com meu baralho enlevado

Não enxerguei perto de mim um sargento ajoelhado

Prestando muita à tensão e me olhando admirado

Com pouca demora na igreja eu vi entrar dois soldado

Chegando pra min disse logo o senhor esta intimado

O doutor mandou prender pro senhor ser interrogado

Segui pra delegacia com policia me escoltando

Sem saber o crime que eu tinha de um baralho esta levando

Cheguei na delegacia na presença do doutor

Foi logo me interrogando tratando-me de pecador

Perguntando se na igreja era lugar de jogador

Seu doutor meus pensamentos eu não falho

Eu fui lá rezar pra deus diminuir os meus trabalhos

Só agora eu vou falar e lhe dar explicação

Depois de bem explicado seu doutor vai dar razão

Verá que em todo baralho tem sincera devoção

Si eu pego num az que tem uma pinta somente

Eu me lembro que existe um só deus onipotente

Quando chamamos por ele e certo que esta presente

Quando eu pego num dois com gosto me lembro eu

Queen duas taboa de pedra o criador escreveu

Quando nas sarças ardentes a Moises apareceu

Se eu pego num três rezo com sinceridade

Me lembro das 3 pessoas da santíssima trindade

Pai filho espirito santo em um só deus de verdade

E quando eu pego num quatro quatro de paus encruzados

Me lembro dos quatros cravos que jesus foi cravejado

Foi preso sem dever crime morreu sem dever pecado

O cinco me faz lembrar daqueles dias de dor

Das cinco chagas doidas que sofreu nosso senhor

Derramou seu sangue santo pra salvar os pecador

Quando eu pego num seis eu faço a comparação

Em seis dias deus fez tudo sem em nada por a mão

O sete me faz lembrar horas tristes amarguradas

Dos sete passos de cristo na sua paixão sagrada

Com sete espadas de dor a mãe de deus foi cravada

Quando eu pego num oito que oito pintas contem

Me lembro que não se deve armar falso em mínguem

Quem arma falso nos outros o perdão no céu não tem

Quando eu pego num nove me vem na recordação

Dos nove meses de tosos da divina encarnação

Que Jesus passou no ventre da virgem da conceição

Quando pego numa dama lembro da virgem Maria

Hai de nos não fosse ela e de nós oque seria

Ela e a mãe do salvador e dos pecador em agonia

Si eu pego num reis me vem logo na memoria

Me lembro que Jesus cristo e o divino rei da gloria

Foi assim só delegado que eu fui na igreja rezar

Agora estou as suas ordens no que o senhor d

esejar

Ou me põe na cadeia ou me deixe arretirar

O delegado pensou pensou não achou o que falar

Porque motivo eu deixava o valete sem contar

Há seu delegado o valete e carta ruim

Eu quando compro baralho nos valetes já dou fim

Porque parece como sargento que veio dar parte de mim.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo