Blog

  • Julio Cesar França Franco

AFLIÇÃO NOSSA DE TODOS OS DIAS




“Já nos afirmavam os Chineses:

Jamais se desespere em meio as sombrias aflições de sua vida, pois das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda.

Se um homem pudesse ter metade dos seus desejos realizados, teria mais aflições do que prazeres, prazer é igual água do mar quanto mais se bebe, mais sede você tem.


Se presumes que Deus cria seres privilegiados para incensar-lhes a grandeza, pensa na justiça, antes da adoração.

Não existe uma ampulheta que baixa mais rápido diante da nossa dor, ou um fogo capaz de queimar a paixão que arde em nosso peito.

Existe remédio que cura a saudade de uma mãe que perdeu o filho?

Todos que passam pela terra sofreram, até o Cristo foi recepcionado em um coxo... O messias foi escarnecido, humilhado, executado em um madeiro infamante, numa tarde escaldante, estava nu, com sede com fome e dor, abandonado pelos amigos...

E você almeja passar por aqui voando em céu de brigadeiro e mar de almirante.... Fala sério!!!

Dizia Sêneca: O ouro é testado pelo fogo. Os bravos pela aflição!!

Aqueles que mergulham no mar das aflições trazem pérolas raras para cima e sabem que este brilho é diferente, afinal eles transmutam suas almas através do sofrimento e dos obstáculos vencidos.

“Para isso, basta lembrar as circunstâncias constrangedoras em que morreram quase todos os grandes vultos das ciências, das religiões e das artes, que marcaram as ideias do mundo, nas linhas da emoção e da inteligência. Sócrates condenado a suicidar-se, Dante, exilado. Leonardo da Vinci, semiparalítico. Colombo, em desvalimento. Fernão de Magalhães, trucidado. Galileu, escarnecido. Lutero, perseguido. Calvino, endividado. Vicente de Paulo, paupérrimo. Spinoza, indigente, Padre Manoel da Nobre e José de Anchieta passando por fome e riscos de serem mortos para trazer o Cristianismo a nossa terra.”

São 3 Credenciais imprescindíveis para avançarmos no Planeta Terra:

A dor, o amor e o trabalho!

“Observe a vida dos grandes vultos:

Lavoisier, guilhotinado. Beethoven, surdo. Mozart, em penúria extrema. Braille, tuberculoso. Lincoln, assassinado. Curie, esmagado sob as rodas de um carro. Gandhi, varado a tiros. Martin Luther king assassinado, E se gênios da altura de Hugo e Pasteur, Edison e Einstein, partiram da Terra menos dolorosamente, é forçoso reconhecer que passaram, entre os homens, também sofrendo e lutando, junto à bigorna do trabalho constante.

Cada consciência é filha das próprias obras. Cada conquista é serviço de cada um. Deus não tem prerrogativas ou exceções. Toda glória tem preço.

É a lei do mérito de que ninguém escapa. As aflições na terra são os remédios amargos, a dor age como um bisturi fazendo incisão na parte doentia de nossas almas. És livre para imprimir na tua existência o padrão de felicidade ou de aflição com o qual desejas conviver aprenda, nas aflições os problemas parecem intermináveis, porém, não é assim, o inverno sempre se transforma em primavera, jamais se esqueça:

Nada é para sempre, nem a dor, nem a alegria!

A vida de perto é uma tragédia e de longe uma comédia, aprenda a se superar, a reverdecer um dia você irá rir da sua desgraça, afinal não se perde o que não se tem. O simples fato de você caminhar com as próprias pernas lhe convida a pensar que muitos nasceram deformados ou foram amputados e talvez aprenderam e ensinaram mais que você, que se quer tem uma unha encravada.

Provas, lágrimas, problemas, aflições em frenesi? Não te assombres e nem temas, o céu cuidará de ti.” Meimei


Julio Cesar França Franco

316 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo